Paranautas.com - ideias, acoes e debates em prol do grande Parana Clube

Cabeça no lugar

Henrique Ventura

Publicado em: 25/03/2017 - 23:10

Neste começo de ano toda a equipe de colunistas da Paranautas acabou tirando um período sabático sem querer. Em meio às incertezas da remontagem do elenco e aos calos de fiascos anteriores, parece que todo mundo ficou um tanto reticente quanto a o que escrever sobre nosso Tricolor.

Mas nesse momento em que o semestre começa a se definir o paranista não pode ficar sem opiniões diferentes das da grande imprensa ou da empolgação do torcedor nas rodas de boteco, resenhas de pelada ou discussões virtuais. Por isso, resolvi quebrar a hibernação e escrever um pouco por aqui.

A exemplo de 2016, estamos tendo um começo surpreendente de temporada. Mas acredito que as semelhanças parem por aí. No ano passado, o planejamento seguia semelhante aos passos do segundo semestre de 2015: decisões centralizadas em um vice-presidente de futebol que não acompanhava o mundo do futebol há quase uma década, agia de forma amadora e que tinha sérios problemas em manter um elenco coeso. O time titular era relativamente forte, mas o banco não tinha substitutos à altura.

Para 2017, a história pode ser bem diferente. A profissionalização que passa a valer na contratação de Rodrigo Pastana como gerente de futebol e Tcheco como supervisor começa a mostrar resultados. Talvez nosso onze titular seja inferior ao do Ruralito® do ano passado. Mas o elenco em si é mais homogêneo e, diz-se nos bastidores, mais barato. Com exceção de Leo (grata surpresa!), Brock e Renatinho, não tem ninguém insubstituível. E aí é que vejo a grande virtude do rodízio de atletas promovido pelo bom treinador Wagner Lopes. Como é quase todo mundo do mesmo nível, o time "reserva" não deixa muito a desejar quanto ao titular e o elenco pega um ritmo de jogo mais igual, além de não desgastar demais os principais destaques.

Isso nos torna automaticamente candidatos ao título da Pinhão´s League, da Primeira-ninguém-Liga, à final da Copa do Brasil e ao acesso na série B? Longe, mas muito longe disso por enquanto. E é disso que quero falar: vamos com calma. Um passo de cada vez. Já foi lindo termos a renda extra que não tínhamos há anos, oriunda de premiação? Claro, todos vibramos com as classificações na Copa do Brasil e esperamos vibrar ainda mais nas próximas fases. Mas o caminho é longo pela frente.

Estamos bem colocados no estadual e na Primeira Liga, mostrando atletas com potencial interessante tanto no time titular quanto no reserva? Sim. Mas em outros anos recentes também terminamos bem o primeiro trimestre e bobeamos na sequencia. Por isso, toda cautela é necessária em nossa empolgação.

Não podemos nem nos deslumbrar com esse sucesso todo, por enquanto, e nem entrar em parafuso caso o insucesso apareça precocemente. É preciso ter convicção no conceito de trabalho que vem sendo feito e não atrelar a resultados imediatistas. Precisamos antes de tudo colocar as finanças em ordem, e isso é um trabalho que vai longe. O que aparecer de bom no meio desse caminho é lucro e deve ser tratado com muito carinho e atenção.

Renatinho

Sejamos lúcidos: são raríssimas as chances de segurarmos o nosso maior destaque (e maior surpresa também) para o restante de temporada. E não é culpa da diretoria, culpa dele, culpa de ninguém. Mesmo que fosse atleta nosso, seria difícil mantê-lo. Portanto, temos de valorizar o retorno técnico que nosso camisa 10 pode dar no tempo que resta de contrato e buscar logo um substituto o mais próximo possível do nível dele. Eu diria que Tomas Bastos, do J Malucelli, seria o cara para isso.

Vejo você na Vila!

--

Henrique Ventura (domingo)
Médico Veterinário de 29 anos, descendente e propagador de uma enorme linhagem de paranistas. Entusiasta da igualdade entre tricolores e crítico dos vícios históricos do clube. Sabe que dias melhores virão para o Paraná Clube.
henriqueven@gmail.com

Henrique Ventura

Colunista da Paranautas aos sábados. Médico Veterinário de 29 anos, descendente e propagador de uma enorme linhagem de Paranistas. Entusiasta da igualdade entre tricolores e crítico dos vícios históricos do clube. Sabe que dias melhores virão para o Paraná Clube. Eventualmente, às segundas-feiras, contribui com as colunas "Cuidando da segunda pele", sobre as camisas do Tricolor.

Twitter: @henventura

henriqueven@gmail.com



LOJA OFICIAL

PARANAUTAS TV

CLASSIFICADOS PARANAUTAS

ENQUETE

Você manteria o Matheus Costa como técnico?

 

Processando...


Parcial
Enquetes Anteriores

ÚLTIMAS DO CLUBE NA IMPRENSA

GALERIA DE FOTOS

TÚNEL DO TEMPO - O QUE ACONTECEU NA HISTÓRIA DO CLUBE

03/11/1999 - Na partida de volta na Argentina, o San Lorenzo venceu por 2x1. Com o resultado, a partida foi para os pênaltis. Como o goleiro Marcos havia sido expulso aos 44 do 2° tempo, o centroavante Flávio foi para o gol, defendendo 3 penalidades máximas e garantindo a classificação para a próxima fase.

05/11/2000 - Na semifinal, diante do Remo, fora de casa, mais de 55 mil torcedores lotaram o Mangueirão. Vitória paranista por 2x1, gols de Flávio e Márcio.

09/11/1997 - Pela última rodada do Brasileirão, Paraná e São Paulo fazem jogaço e empatam por 4 a 4 no Morumbi.

12/11/1998 - O Paraná Clube vence a equipe do Flamengo (RJ) na última rodada do campeoanto brasileiro por 2 a 1 e permanece na 1ª divisão em 1999.

13/11/2000 - Primeira partida da final do módulo amarelo. Empate na Vila Capanema pelo placar de 1x1.

18/11/2000 - Paraná Clube é campeão da Série B, diante do São Caetano. Gols de André, Reinaldo e Fredson.

20/11/1996 - O Paraná Clube vence a equipe do Santos (SP) por 3 a 0 e o segundo gol paranista foi marcado pelo goleiro Régis, cobrando uma penalidade máxima.